Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça feira - Investing.com

 Os EUA e a China mantiveram negociações comerciais por telefone e foram excepcionalmente educados sobre isso depois. A Exxon Mobil (NYSE:XOM) foi expulsa do índice Dow Jones Industrial Average junto com a Pfizer e a Raytheon após o rebalanceamento dar um peso maior às ações de tecnologia. 

As ações devem abrir em alta antes dos dados de preços de imóveis e de confiança do consumidor. A recuperação econômica da Alemanha continua e o Golfo do México se prepara para o furacão Laura. 

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na terça-feira, 25 de agosto.


1. Fim de uma era com rebalanceamento do DJIA

A Exxon Mobil foi retirada do Dow Jones Industrial Average em um rebalanceamento histórico do índice de ações mais famoso do mundo.

A empresa, descendente da Standard Oil de John D. Rockefeller, tem sido a personificação da indústria privada de petróleo e gás e sua importância para uma economia industrializada desde sua fundação, e sua omissão é uma declaração poderosa sobre o declínio de longo prazo da influência e valor da extração de recursos naturais.

Outras empresas que perderam seu lugar no DJIA foram o grupo de defesa Raytheon e a gigante farmacêutica Pfizer. Eles serão substituídos pelo grupo de software Salesforce, pelo grupo de biotecnologia Amgen (que, estranhamente, é menor que a Pfizer) e pela Honeywell. As mudanças visam restaurar o peso da tecnologia no índice ponderado por preço, que deveria cair como resultado do desdobramento de ações da Apple (NASDAQ:AAPL).


2. EUA-China em retórica conciliadora após remarcarem as negociações comerciais

Os EUA e a China começaram a negociar por telefone, menos de duas semanas depois que o presidente Donald Trump cancelou uma revisão programada do acordo comercial fase 1 assinado em janeiro.

“Ambos os lados veem progresso” foi a linha oficial que se seguiu ao telefonema entre o representante comercial dos EUA Robert Lighthizer e seu correspondente chinês Liu He. Isso encobriu a realidade de que a China comprou menos da metade do que prometeu comprar dos EUA em janeiro, em parte como resultado da pandemia que esmagou a demanda por importações de petróleo e gás no primeiro semestre do ano.

De acordo com várias notícias, a China reservou navios para importar quantidades recordes de petróleo dos EUA no próximo mês. As reservas estão, no entanto, sujeitas a alterações.


3. Ações devem abrir em alta; balanços de software e varejo são esperados

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em alta na quarta-feira, ainda apoiados pelos sinais de que a pandemia do coronavírus está recuando nos EUA, e também apoiados pelo abrandamento temporário do antagonismo entre os EUA e a China.

Às 9h (horário de Brasília), o contrato futuro Dow 30 subia 194 pontos, ou 0,7%, enquanto os futuros do índice S&P 500, que fechou acima de 3.400 pela primeira vez na segunda-feira, subia 0,4%. O contrato futuro do Nasdaq 100 caía 0,1%.

A Salesforce tem a chance de mostrar mais tarde com seu relatório trimestral após o fechamento. Ela terá a companhia da Intuit e dos varejistas Nordstrom e Urban Outfitters. Medtronic, Best Buy e Hormel Foods irão divulgar seus números antes do início da sessão.


4. Recuperação alemã ganha força

O calendário de dados está um pouco mais pesado hoje, com dados de preços de casas sendo divulgado às 8h, e as vendas de casas novas e o índice de confiança do consumidor do Conference Boards esperados para às 9h. A última atualização de pesquisa do Redbook também foi lançada às 8h55.

No exterior, os números do Produto Interno Bruto do segundo trimestre da Alemanha foram revisados ​​para mostrar um declínio de "apenas" 9,7% em vez dos 10,1% inicialmente estimados. O consumo privado e as exportações líquidas foram responsáveis ​​pela maior parte da queda.

A recuperação da maior economia da Europa continua, embora com sinais de achatamento. O índice de confiança empresarial Ifo subiu um pouco mais do que o esperado para 92,6, com a surpresa vindo de uma estimativa mais positiva das condições atuais. As expectativas diminuíram ligeiramente.


5. Diga a Laura que tenho medo dela

Os preços do petróleo bruto permaneceram bem apoiados pelas negociações comerciais e pelos dados alemães, mas as atenções permaneceram principalmente nas duas tempestades tropicais que assolam o Golfo do México.

O National Hurricane Center rebaixou a primeira das duas frentes meteorológicas, Marco, para uma depressão tropical de uma tempestade tropical durante a noite. Isso sugere que sua capacidade de causar mais problemas será limitada. No entanto, o NHC atualizou a tempestade tropical Laura para furacão, com chegada no continente dos EUA prevista para quarta-feira à noite.

A produção de petróleo de mais de 1 milhão de barris por dia foi interrompida devido às tempestades, mas o maior sinal de aperto foi visto nos futuros da gasolina, que estão em seu nível mais alto desde o pânico de março, a US$ 1,3865 por galão. O petróleo bruto dos EUA subia 0,6% para US$ 42,89 por barril, enquanto o Brent subia 1,1% para US$ 46,14


Fonte: Investing.com

2 visualizações