Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira

Por Geoffrey Smith

Investing.com - Donald Trump e Joe Biden se enfrentam no primeiro debate presidencial. O coronavírus mata sua milionésima vítima enquanto Mike Pence alerta sobre o aumento do número de infecções nos EUA.

Muitos diretores do Fed falam suas perspectivas de política monetária. E as moedas turca e russa enfraquecem enquanto seus aliados se enfrentam no Cáucaso.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados na terça-feira, 29 de setembro.


1. Rodada um começa

Donald Trump e Joe Biden participarão de seu primeiro debate frente-a-frente antes da eleição presidencial às 22h00 (horário de Brasília).

O estado da economia, o manejo da pandemia e as questões de desigualdade racial e lei e ordem provavelmente serão as primeiras a serem consideradas. Outra questão digna de nota são os registros fiscais de Trump, que foram divulgados pelo New York Times no fim de semana.

As pesquisas de opinião sugerem que, no momento, a eleição deve favorecer Biden: uma média das pesquisas no RealClearPolitics.com o coloca quase 7 pontos à frente nacionalmente. No entanto, os debates provavelmente serão um teste severo aos poderes de concentração do homem de 77 anos, o que Trump sinalizou repetidamente como uma fraqueza de seu oponente.


2. Covid-19 atinge o marco do milhão

A Covid-19 já matou oficialmente mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Não há nenhum poder particular nesses números, mas os mercados continuam sob pressão de sinais de infecções crescentes em grande parte da Europa e o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, que argumentou durante o verão que não houve "segunda onda", disse na segunda-feira que os norte-americanos devem esperar um aumento no número de casos nos próximos dias. Embora ele tenha atribuído isso ao aumento de testes, as taxas de resultados positivos também aumentaram em grande parte do Oeste do país nos últimos dias.

As mortes pelo vírus aumentaram 40% na Inglaterra e no País de Gales, atingindo o nível mais alto em cinco semanas, enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, alertou que pode impor restrições mais rígidas às reuniões públicas para prevenir um novo surto de infecções.

No lado bom, a Índia - que tem sido o principal ponto do vírus do mundo nas últimas semanas - registrou o nível mais baixo de novas infecções em quase um mês.


3. Ações se consolidam após grandes ganhos

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em grande parte estáveis ​​antes do debate presidencial de terça-feira, consolidando-se após ganhos rápidos nas duas últimas sessões.

Às 8h42, os futuros do Dow e os futuros do S&P 500 estavam ambos em queda de 0,1%, enquanto os futuros do Nasdaq caíam 0,3%.

Os mercados reagiram com ceticismo ao longo da noite às novas propostas dos democratas da Câmara para um pacote de estímulo de US$ 2,2 trilhões para a economia. Os números permanecem muito acima do que o Senado, controlado pelos republicanos, sinalizou que aprovará.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem a fabricante de chips Micron (NASDAQ:MU) e a operadora de cruzeiros Carnival (NYSE:CUK), pois ambas irão divulgar seus resultados trimestrais. Os investidores também estarão à procura de mais detalhes sobre o IPO da Palantir, cuja negociação deve começar na sexta-feira.


4. Fala dos dirigentes do Fed, confiança do consumidor e dados de preços de imóveis são esperados

O calendário de dados está um pouco mais cheio hoje, com atualizações do Conference Board sobre a confiança do consumidor às 11h e o índice de preços de imóveis S&P/Case-Shiller de julho uma hora antes.

Uma série de dirigentes do Federal Reserve também chegarão às notícias, começando com John Williams de Nova York às 10h15 e terminando com o chefe de supervisão bancária Randall Quarles às 16h. O influente vice-presidente Richard Clarida está espremido entre eles às 12h40.

Dados europeus durante a noite apontaram para uma fraqueza persistente nos preços ao consumidor na zona do euro em setembro, que se seguiu a um discurso esmagadoramente dovish ao Parlamento Europeu pela presidente do BCE, Christine Lagarde, na segunda-feira.


5. Conflito no Cáucaso atinge as moedas; o petróleo nem tanto

Os preços do petróleo caíram nas negociações da madrugada, com uma breve recuperação sobre questões geopolíticas perdendo o fôlego antes da atualização semanal nos estoques de petróleo do American Petroleum Institute.

Às 8h40, os futuros do petróleo dos EUA caíam 0,7%, a US$ 40,31 o barril, enquanto os futuros do Brent caíam 0,7%, a US$ 42,58 o barril

A erupção dos combates entre o Azerbaijão e a Armênia levantou brevemente as preocupações sobre a segurança de um oleoduto de 1,2 milhão de barris por dia que leva o petróleo azerbaijano ao Mediterrâneo. As duas ex-repúblicas soviéticas têm apoiadores poderosos na Turquia e na Rússia, que exercem considerável influência sobre ambas.

Embora a luta não tenha tido um impacto duradouro nos preços do petróleo ainda, atingiu as moedas turca e russa, que caíram em relação ao dólar (a lira turca bateu uma outra mínima durante a noite).



Fonte: Investing.com

2 visualizações