Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta sexta-feira - Investing.com

nvesting.com - A Black Friday chegou com um provável aumento exponencial das vendas por canais digitais. A consolidação bancária europeia está suspensa na Espanha, enquanto a AstraZeneca provavelmente será impactada com o retorno de Wall Street do feriado de Ação de Graças. O petróleo negocia misto com a aproximação de uma reunião crucial da Opep+, enquanto a libra esterlina retém força e as ações continuam a recente tendência positiva.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na sexta-feira, 27 de novembro.


1. Chega a Black Friday, mas com uma diferença

É a Black Friday, tradicionalmente o dia de compras mais movimentado dos Estados Unidos, mas como estamos em 2020, as coisas devem ser diferentes.

LEIA MAIS: Black Friday 2020 deve ser a maior da história; Via Varejo (SA:VVAR3) é foco, dizem analistas

Fotos de compradores lutando para entrar nas lojas em busca de pechinchas têm estampado os canais de notícias há anos, mas as restrições da Covid-19 forçaram as lojas a desviar a maioria das compras para o ambiente online.

Grandes varejistas, duramente atingidos pela pandemia, começaram a oferecer suas promoções da Black Friday muito mais cedo do que o normal, com a Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34) na liderança realizando o Prime Day em meados de outubro, a fim de capturar o máximo do feriado possível.

Ainda é provável que seja um período excelente para os principais varejistas, com a National Retail Federation prevendo que as vendas no varejo nos EUA aumentem entre 3,6% e 5,2% em relação a 2019, para um total de US$ 755,3 bilhões a US$ 766,7 bilhões. Isso se compara a um aumento médio anual de 3,5% nos últimos cinco anos.


2. BBVA (MC:BBVA) e Sabadell (MC:SABE) encerram as negociações

As ações do Banco Sabadell despencaram 12% após o colapso da potencial fusão com o rival BBVA, apenas duas semanas depois que os dois bancos espanhóis anunciaram planos de união. A divergência parece girar em torno do preço do negócio, que teria resultado em um banco com capitalização de mercado de cerca de 27,5 bilhões de euros.

O BBVA, o segundo maior banco da Espanha, disse que não tem pressa em expandir suas operações, uma vez que já possui cerca de 15% da participação de mercado do país, enquanto o Sabadell disse que lançaria uma nova estratégia para priorizar os negócios domésticos.

Os credores europeus estão sob pressão considerável, com os desafios financeiros em torno da pandemia de Covid-19 se agravando. A consolidação do setor bancário fragmentado da região tem sido vista como um caminho a seguir, e mesmo antes disso, CaixaBank e Bankia anunciaram planos de fusão em um negócio que criaria o maior banco doméstico da Espanha, com uma capitalização de mercado combinada de quase 17 bilhões de euros.


3. Ações devem abrir em alta; AstraZeneca em foco

As ações dos EUA devem abrir em alta nesta sexta-feira, embora os ganhos devam ser limitados, com o mercado definido para fechar mais cedo por conta do feriado de Ação de Graças.

Perto das 8h57, o Dow Jones Futuros, o S&P 500 Futuros e o Nasdaq 100 Futuros subiam 0,2%, 0,21% e 0,36%, respectivamente.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa Futuros sobe na Black Friday; exterior misto com feriado nos EUA

Notícias positivas sobre a vacina contra o coronavírus e a certeza política nos EUA geraram fortes ganhos em Wall Street, com o Dow Jones Industrial Average alcançando a marca de 30.000 pela primeira vez no início desta semana.

O presidente Donald Trump disse na quinta-feira que deixará o cargo se o Colégio Eleitoral votar no presidente eleito Joe Biden. Isso é o mais perto que ele chegou de conceder a eleição e aumenta a sensação de normalidade aos círculos políticos dos EUA.

A AstraZeneca (LON:AZN) (SA:A1ZN34) estará em foco quando Wall Street abrir, depois que Moncef Slaoui, chefe da Operação Warp Speed, expressou preocupação sobre a viabilidade dos dados usados ​​para criar o nível de eficácia de 90% para a vacina candidata da farmacêutica.


4. Libra mantém força, por enquanto

A libra esterlina permanece perto das máximas de três meses em relação ao dólar americano, apesar da terrível revisão de gastos do ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, alguns dias atrás.

Sunak revelou o fraco estado das finanças do Reino Unido, dizendo que o país deve tomar emprestado quase 400 bilhões de libras este ano, o equivalente a 19% do PIB, o maior já feito em tempos de paz. Ele acrescentou que a economia britânica deverá contrair 11,3% em 2020, a maior queda em mais de 300 anos.

No entanto, apesar disso, a libra esterlina permanece relativamente forte, com os investidores continuando a esperar um progresso nas negociações do Brexit, com o negociador-chefe da União Europeia, Michel Barnier, viajando para Londres na sexta-feira, enquanto os dois lados tentam resolver as diferenças sobre pesca e competição política.

“Mais uma vez, o momento decisivo para a libra esterlina parece estar chegando, mas o cenário continua sendo um grande ponto de interrogação”, disseram analistas do ING, em nota.


5. Petróleo misto com reunião chave da Opep+

Os preços do petróleo negociavam em direções mistas nesta sexta-feira, mas ainda perto das máximas pós-pandemia, conforme as atenções se voltam para a reunião crucial da OPEP+ na próxima semana.

Perto das 9h05, o Petróleo WTI Futuros caía 0,48%, a US$ 45,5, enquanto o Petróleo Brent Futuros subia 1,21%, a US$ 48,37.


Fonte: Investing.com

2 visualizações0 comentário