Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta sexta-feira - Investing

Investing.com - Donald Trump pressiona o proprietário da TikTok, ByteDance. Libra cai novamente com medo de um Brexit desordenado.


Tesla (NASDAQ:TSLA) indica sinais de vendas fracas na China e o petróleo continua a lutar depois que os estoques de petróleo dos EUA interromperam quedas.

Aqui está o que você precisa saber na sexta-feira, 11 de setembro.


1. Trump pressiona o TikTok

O presidente Donald Trump aumentou a pressão sobre a Bytedance, dona do serviço de streaming de vídeo TikTok, ameaçando fechar o serviço nos EUA se não houver acordo para vendê-lo até 15 de setembro.

“Ou fecharemos o TikTok neste país por razões de segurança ou ele será vendido”, disse Trump a repórteres na quinta-feira. “Não haverá extensão do prazo ao TikTok.”

Em resposta, a Bytedance informou à Reuters que planeja mudar sua sede para Cingapura e investir bilhões de dólares lá nos próximos três anos, no que parece ser um esforço para impedir a mudança nos EUA.


2. Funcionários do BCE amenizam otimismo de Lagarde

O economista-chefe do Banco Central Europeu disse novamente que a força do euro é um fator importante em seu pensamento, um dia após a primeira entrevista coletiva da presidente Christine Lagarde no outono do hemisfério norte.

“Deve ficar bem claro que não há espaço para complacência”, escreveu Philip Lane em uma postagem no site do BCE. “A inflação continua muito abaixo do objetivo e houve apenas um progresso parcial no combate ao impacto negativo da pandemia na dinâmica projetada da inflação.”

O tom otimista de Lagarde e sua recusa em aceitar propostas para desacelerar o euro surpreenderam muitos analistas, mas foram consistentes com uma modesta revisão em alta da previsão de crescimento do BCE para este ano. A intervenção de Lane levantará ainda mais suspeitas sobre a política de comunicação do BCE. O antecessor de Lagarde, Mario Draghi, raramente precisava de seu economista-chefe para explicar seus comentários um dia após os eventos mais importantes do banco.


3. Ações devem abrir em alta; Tesla sugere fraqueza na China

As ações dos EUA devem encerrar a semana volátil com uma nota firme, à medida que os investidores buscam uma maneira de voltar a se concentrar em uma recuperação econômica que parece ainda estar amplamente intacta.

Por volta das 8h30, os futuros do Dow 30 subiam 144 pontos, ou 0,5%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 e o contrato futuro do Nasdaq subiam 0,6%.

O mercado estará à espera dos números da inflação ao consumidor para agosto, que serão divulgados às 9h30, pronto para atacar qualquer coisa que cheire a um pretexto para mais estímulos do Federal Reserve (não há nenhum sinal vindo do Congresso após o pacote de medidas fiscais reduzido dos republicanos falharem no Senado na quinta-feira).

As ações em destaque incluirão a Tesla, que planeja começar a exportar de sua fábrica em Xangai. Os analistas viram a notícia como um sinal de que as vendas no maior mercado de veículos elétricos do mundo podem estar diminuindo.


4. Libra cai novamente após ultimato da UE

A libra caiu ainda mais, especialmente em relação ao euro, depois que a UE emitiu um ultimato a Londres para retirar a legislação proposta que violaria os termos do Acordo de Retirada do Brexit.

O Reino Unido rejeitou o ultimato e prosseguirá com a sua nova Lei do Mercado Interno, que admite ser uma violação “limitada e específica” do direito internacional.

A libra esterlina caiu para até 1,0762 em relação ao euro, antes de se recuperar um pouco para 1,0802, queda de 0,2% no dia. A divisa do Reino Unido caiu mais de 5% em relação à moeda única esta semana, com o primeiro-ministro Boris Johnson ressuscitando a ameaça de um fim desordenado para o período de transição pós-Brexit no final do ano.

A recuperação veio depois que o Reino Unido e o Japão chegaram a um consenso sobre as linhas gerais de um acordo para reger suas relações comerciais quando o período de transição terminar.


5. Petróleo enfrenta dificuldades após o aumento dos estoques dos EUA

Os preços do petróleo bruto dos EUA caíram abaixo de US$ 37 o barril durante a noite, antes de se recuperarem um pouco, depois que dados do governo dos EUA confirmaram um aumento nos estoques de petróleo na semana passada.

Os estoques de petróleo bruto aumentaram em cerca de 2 milhões de barris, quebrando uma série de quase dois meses de quedas ininterruptas de estoques.

Por volta das 8h30, os futuros do petróleo dos EUA eram negociados em alta de 0,3% no dia, a US$ 37,41 o barril, ainda em curso para uma grande perda na semana. Os futuros do Brent caíam 0,1%, a US$ 40,03 o barril.

Os dados de contagem de sondas da Baker Hughes fecham a semana.

2 visualizações