Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira - Investing

Investing.com - A China atrapalha os esforços do presidente Donald Trump para tornar o TikTok americano. Novos dados mostram que a economia chinesa e japonesa estão indo melhor do que o esperado, já que Warren Buffett faz uma aposta de US$ 6 bilhões nas grandes tradings de commodities do Japão. E o chefe da FDA, Steve Hahn, defende a abordagem de sua agência para autorizar tratamentos para Covid-19.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na segunda-feira, 31 de agosto.


1. China dificulta negócios do TikTok

A venda das operações da TikTok nos Estados Unidos foi complicada por novos regulamentos chineses que restringem a exportação de tecnologia de inteligência artificial.

Os regulamentos parecem dar a Pequim um veto efetivo sobre o negócio e virar a mesa sobre os EUA, que restringiu o investimento chinês no país nos últimos anos, citando os riscos de transferências de tecnologia sensíveis.

Várias reportagens sugeriram que um negócio seria fechado no fim de semana para vender as operações a um comprador dos EUA. Microsoft (NASDAQ:MSFT), Oracle (NYSE:ORCL) e até mesmo Walmart (NYSE:WMT) foram vinculados ao negócio.


2. Economia da China se fortalece, mas resultados bancários apontam para problemas

O iuan se fortaleceu em relação ao dólar e atingiu seu valor mais alto em 15 meses, depois que uma pesquisa oficial de negócios chegou surpreendentemente forte.

O índice oficial de gerentes de compras para agosto subiu para 54,5 de 54,1 em julho, graças principalmente aos serviços - o pilar da economia chinesa com foco mais doméstico. O levantamento sugere que a demanda doméstica começa a acompanhar a recuperação da produção industrial desde março, embora o PMI do setor industrial tenha vindo abaixo da expectativa e menor do que em julho (51 ante 51,1 no mês anterior e expectativa de 51,2). O PMI do setor de serviços foi para 55,2 em agosto ante 54,2 em julho.

No entanto, a pandemia ainda deixou suas cicatrizes na economia chinesa: os maiores bancos do país relataram sua maior queda trimestral nos lucros em uma década, graças a um aumento nos empréstimos inadimplentes e spreads de empréstimos mais estreitos.


3. Ações devem abrir em alta; discursos de Clarida e Bostic esperados

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em alta, uma vez que o apetite ao a risco em curso se recusa a perder o ímpeto, tendo sido aparentemente impulsionado pelo discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na última quinta-feira.

Às 8h40 (horário de Brasília), o contrato futuro do Dow subia 37 pontos, ou 0,1%, enquanto o S&P 500 subia 0,2% e o contrato futuro Nasdaq 100 subia 0,2%.

Em um dia leve para dados, o mercado provavelmente prestará atenção no vice-presidente do Fed, Richard Clarida, cujo discurso às 10h irá detalhar os pontos mais delicados da mudança do Fed para "metas de inflação média". A mudança foi amplamente interpretada como bloqueio a taxas de juros próximas a zero por até cinco anos.

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, também deve falar às 11h30. A pesquisa mensal de negócios do Fed de Dallas deve ser divulgada no mesmo horário.


4. Buffett aposta em corretoras japonesas

A Berkshire Hathaway (NYSE:BRKb), de Warren Buffett, fez uma aposta de US$ 6 bilhões em um punhado de grandes casas de trade de commodities no Japão, na mais recente e surpreendente edição de uma busca por rendimentos em todo o mundo.

A Berkshire disse no fim de semana que adquiriu participações de cerca de 5% em Itochu, Marubeni, Sumitomo, Mitsui e Mitsubishi Corp, empresas que dominaram o processo alimentar do setor industrial do Japão com matérias-primas por décadas.

A mudança ocorre depois de uma saída líquida de dinheiro estrangeiro de ações japonesas que chegou a US$ 132 bilhões nos últimos dois anos e meio, sugerindo que Buffett está levando tempo nessa tendência específica.

Durante a noite, dados oficiais mostraram que a produção industrial cresceu 8% em julho, bem acima das expectativas. O Ministério do Comércio e Indústria espera que a recuperação se estabilize nos próximos dois meses.


5. O chefe da FDA, Hahn, anda na corda bamba

O chefe da Food and Drug Administration, Steve Hahn, disse que está aberto a uma autorização acelerada para medicamentos que tratem a Covid-19, mas apenas se os benefícios para a saúde pública superarem os riscos.

Os comentários de Hahn, feitos em uma entrevista ao Financial Times, vieram uma semana depois que o presidente Donald Trump acusou a FDA de atrasar as autorizações de medicamentos a fim de prejudicar suas chances de reeleição em novembro.

“Cabe ao patrocinador [desenvolvedor da vacina] solicitar autorização ou aprovação, e nós julgamos seu pedido”, disse Hahn ao FT. “Se eles fizerem isso antes do final da Fase Três, podemos achar apropriado. Podemos achar isso inapropriado, vamos tomar uma decisão. ”

Ele prometeu que qualquer decisão tomada pelo FDA seria “uma decisão científica, médica e de dados. Isso não vai ser uma decisão política”.


Fonte: Investing

6 visualizações