Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira - Investing.com

Investing.com - O presidente Donald Trump revive a esperança de algum apoio para a economia antes da eleição. Os pedidos iniciais de seguro-desemprego devem ficar parados acima de 800.000, os resultados das companhias aéreas lançaram uma nova luz sobre os desafios da indústria e os problemas da Covid-19 na Europa apenas pioraram.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 8 de outubro.

1. Trump muda de ideia sobre estímulos

O presidente Donald Trump sinalizou disposição para negociar projetos de lei fragmentados para apoiar a economia, depois de interromper as negociações com os democratas da Câmara sobre um pacote de estímulo abrangente um dia antes.

“Se eu receber uma conta independente para cheques de estímulo (US$ 1.200), eles irão para o nosso grande povo IMEDIATAMENTE. Estou pronto para assinar agora”, Trump tuitou na noite de quarta-feira.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, respondeu que o presidente só estava interessado em enviar cheques com sua assinatura.

O pivô de Trump efetivamente tira as centenas de bilhões de ajuda que os democratas queriam para os governos estaduais e municipais, que eles dizem ser necessários para lidar com o colapso na arrecadação de impostos locais e o custo de manter prédios públicos, como escolas, abertos e seguras.

2. Pedidos de seguro-desemprego ainda estão presos em 800.000

O número de pessoas com interesse direto em um cheque de estímulo provavelmente permanecerá elevado quando os números dos pedidos de auxílio-desemprego desta semana forem publicados às 9h30 (horário de Brasília).

Os números de pedidos perderam sua capacidade de causar choque, sem nenhuma reação negativa sustentada em seis semanas consecutivas de pedidos iniciais entre 800.000 e 900.000. Espera-se que os pedidos iniciais desta semana tenham caído para 820.000, o que representaria outra baixa pós-pandemia, mas ainda está em um nível inimaginável antes da crise. Espera-se que os pedidos contínuos tenham caído de 11,77 milhões para 11,4 milhões.

Os únicos outros itens dignos de nota no calendário de dados são a pesquisa NFIB Small Business Optimism e os discursos dos funcionários do Federal Reserve Thomas Barkin às 15h25 ET e Robert Kaplan às 19h.

3. Ações devem estender recuperação na esperança de estímulo

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em alta, ainda apoiados pelas esperanças de suporte para a economia dos EUA após a mudança abrupta do governo na quarta-feira.

Por volta das 8h55, o Dow 30 futuros subia 183 pontos, ou 0,6%, enquanto o S&P 500 futuros subia 0,4%. O Nasdaq futuros subia 0,8%.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem Walt Disney (NYSE:DIS), que foi instado pelo investidor ativista Dan Loeb a cortar seus dividendos e gastar o dinheiro em novo conteúdo para seu canal de streaming Disney+. Loeb argumentou que isso permitiria obter uma avaliação mais parecida com a da Netflix (NASDAQ:NFLX).

Também haverá publicações de resultados da Domino's Pizza e Helen of Troy.

4. Delta e EasyJet lançam luz sobre a situação das companhias aéreas

A atualização mais aguardada, entretanto, virá da Delta Air Lines (NYSE:DAL), que será a primeira das principais companhias aéreas a divulgar os resultados dos três meses até setembro.

Trump pediu ao Congresso novamente para ajudar o negócio das companhias aéreas na quarta-feira, em um cenário em que demissões em massa se aproximam. Cerca de 43 companhias aéreas já faliram este ano, segundo dados da empresa de viagens Cirium. Pelosi indicou que consideraria um projeto de lei independente, embora não esteja claro quais cordas ela atribuiria a ele.

Na Europa, anteriormente, a EasyJet, a segunda maior companhia aérea do continente no início do ano, disse que teve seu primeiro prejuízo anual, de um bilhão de dólares. Ela espera voar com apenas 25% da capacidade nos próximos três meses.

5. Números Covid da Europa crescem em espiral

O vírus da Covid-19 está ameaçando sair de controle novamente na Europa. Países da França e Espanha à República Tcheca registraram o maior número diário de novas infecções, enquanto o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse estar "muito preocupado" com o aumento acentuado de infecções no país para mais de 4.000 ontem.

“É possível que vejamos mais de 10.000 casos por dia e que o vírus se espalhe de forma incontrolável”, disse Lothar Wieler, chefe do Instituto Robert Koch da Alemanha, mais cedo.

Um ministro do Reino Unido, entretanto, observou que a série de medidas locais de bloqueio anunciadas na Grã-Bretanha nos últimos dias não estavam tendo nenhum sucesso visível em achatar a curva de infecção.

Fonte: Investing.com

2 visualizações0 comentário