Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira - Investing.com

Investing.com - Os pedidos iniciais de seguro-desemprego semanais e a pesquisa de cortes de empregos Challenger preparam o cenário para o relatório de folha de pagamento - famoso payroll - dos EUA de amanhã.

A França revela um grande plano de estímulo à medida que os PMIs mostram o ímpeto enfraquecendo na Europa em agosto. E o petróleo desliza com os sinais crescentes de que o mercado está voltando ao excesso de oferta.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 3 de setembro.

1. Mercado de trabalho continua em foco com pedidos de auxílio-desemprego, pesquisa Challenger

Depois de um relatório decepcionante sobre a contratação do setor privado em agosto da ADP na quarta-feira, haverá muita atenção novamente sobre os números semanais de pedidos iniciais de seguro-desemprego às 09h30. Os pedidos iniciais ficaram acima de 1 milhão nas últimas semanas, apontando para um alto nível sustentado de demissões, mesmo enquanto a economia se recupera do desastre do segundo trimestre.

A pesquisa de cortes de empregos da Challenger de agosto, que ocorreu às 08h30, deu mais detalhes ao cenário, antes do relatório oficial do mercado de trabalho de sexta-feira para o mês.

O calendário de dados é preenchido pelo PMI de serviços do Institute of Supply Management, com divulgação às 11h00.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, dirá o que pensa sobre tudo isso às 14h00.

2. Macron lança grande plano de estímulo

As ações francesas atingiram seu nível mais alto em quase dois meses, com o governo do presidente Emmanuel Macron divulgando formalmente um pacote de estímulo de 100 bilhões de euros (US $ 118 bilhões).

O pacote, que será 40% financiado pelo proposto Fundo de Recuperação da UE, visa reduzir os impostos sobre as empresas em mais de 20 bilhões de euros ao longo de 10 anos, uma das políticas centrais pela qual Macron foi eleito em 2017, mas não foi capaz de levá-la adiante.

Por volta das 09h06, o índice francês CAC 40 subia 1,57%, tendo subido até 2,0% anteriormente.

3. Ações em pausa para respirar; Tesla (NASDAQ:TSLA) sob pressão novamente

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em baixa, adotando um tom mais cauteloso antes dos dados semanais de desemprego, após definir mais uma nova alta na quarta-feira,

Às 9h07, o contrato futuro de Dow 30 caiu 39 pontos, ou 0,13%, enquanto o contrato de futuros S&P 500 caiu 0,44% e o contrato de futuros de Nasdaq 100 estava queda de 1,08%.

As ações que provavelmente estarão em foco na quinta-feira incluem a empresa de cibersegurança Crowdstrike, que caiu 7,4% no pré-mercado com base na realização de lucros, após uma atualização trimestral que não correspondeu às expectativas.

As ações da Tesla também estão sob pressão, com queda de 6,5% depois que o fundo de investimento do Reino Unido Baillie Gifford, um de seus investidores institucionais mais antigos, foi forçado a se desfazer de algumas de suas posições devido a preocupações com a concentração de portfólio.

4. Dólar estende recuperação à medida que o momentum da zona do euro diminui

O dólar continuou sua recuperação em relação ao euro depois que a última rodada de índices de gerentes de compras sugeriu uma perda acentuada de ímpeto econômico em agosto.

O PMI composto da IHS Markit para a zona do euro caiu para 51,9 de 54,9 em julho, quando uma segunda onda de infecção por coronavírus frustrou as tentativas de manter viva a temporada turística de verão.

O Reino Unido, que entrou em bloqueio mais tarde que o resto da Europa, conseguiu obter outro ganho em seu PMI composto, mas a IHS alertou sobre o aumento do número de empresas que se preparam para despedir funcionários conforme o esquema de licença do governo se aproxima do fim. As vendas no varejo da zona do euro também caíram em julho, informou o Eurostat.

O euro caiu 0,32% para US$ 1,1815, depois que o Financial Times informou que vários funcionários do BCE estavam começando a se preocupar com sua alta. Uma entrevista da membro do conselho do BCE, Isabel Schnabel, à Reuters contradisse essa visão, no entanto.

5. Quedas de petróleo à medida que os temores de excesso de oferta reaparecem

Os preços do petróleo prolongaram suas quedas devido às crescentes preocupações de que o mercado está entrando em excesso de oferta.

O mercado tem trabalhado nos últimos dois meses partindo do pressuposto de que a restrição da produção da OPEP e seus amigos reunido na Opep+, combinada com uma recuperação na demanda global de combustível, consumiria rapidamente os estoques acumulados no primeiro semestre.

No entanto, os dados do governo dos EUA divulgados na quarta-feira indicaram uma queda preocupante na demanda de gasolina dos EUA, enquanto outros números do governo também mostram que o consumo de combustível de aviação se estabilizou em menos da metade de seus níveis de um ano atrás.

Os futuros do petróleo norte-americano caíram 2,1%, a US$ 40,65 o barril, enquanto os futuros do Brent caíram 1,8%, a $ 43,65 o barril.

Fonte: Investing.com

2 visualizações