Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira - Investing

Investing.com - O Banco Central Europeu se reuniu nesta quinta-feira para mais uma decisão de política monetária da zona do euro. A decisão da autoridade monetária europeia veio sob crescente pressão para conter a valorização do euro em relação ao dólar. Os pedidos de seguro-desemprego semanais dos EUA serão divulgados, e o Senado controlado pelo Partido Republicano vota um pacote reduzido de medidas de estímulo. As ações estão em um padrão de retenção após a recuperação de quarta-feira, mas as da China estão sendo vendidas enquanto o regulador reprime as especulações. Os preços do petróleo estão caindo novamente depois que os dados de estoques dos EUA alimentaram temores de uma queda na demanda. Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 10 de setembro.

1. BCE reage à força do EUR O Banco Central Europeu se reniu pela primeira vez desde que o Federal Reserve mudou sua doutrina de política monetária para essencialmente aumentar sua tolerância à inflação. O dólar enfraqueceu desde então, empurrando o euro para seu valor mais alto em mais de dois anos, com muitos analistas prevendo uma subida adicional de US$ 1,25 nos próximos meses. O Financial Times informou na quinta-feira que a presidente Christine Lagarde incluirá uma frase sobre a taxa de câmbio na declaração introdutória de sua coletiva de imprensa às 9h30 (horário de Brasília), gerando especulações de que ela tentará desacelerar o euro. O sucesso dela depende de como suas palavras se enquadram nas novas previsões do BCE para o crescimento e a inflação. O BCE já espera atingir sua meta de CPI até 2022, e qualquer revisão para baixo dessa previsão será equivalente a admitir que mais estímulos são necessários, embora a leitura final do PIB do segundo trimestre sugerisse que a economia da zona do euro encolheu menos do que se pensava inicialmente. Às 08h45, o BCE divulgou a manutenção da taxa de facilidade de depósito em -0,5% e a taxa de juros de 0%, e mantém o montante atual de 1,35 trilhões de euros de compras de títulos, com duração até pelo menos junho do ano que vem e reinvestimentos até fim de 2022. O programa de compra de títulos continua flexível quanto a tipo de ativos, país e duração de existência.

2. Pedidos de seguro-desemprego mostram queda adicional Nos EUA, os dados semanais de pedidos de seguro-desemprego serão divulgados às 9h30. Isso tem tido um impacto cada vez menor nos mercados financeiros nas últimas semanas, com poucas mudanças evidentes na narrativa de um mercado de trabalho em recuperação lenta. A pesquisa de vagas de emprego de quarta-feira do Bureau of Labor Statistics apontou para um aumento muito maior nas vagas do que o esperado, o que sugere que há espaço para uma surpresa positiva. As previsões são que os pedidos iniciais tenham caído de 881.000 para 848.000 na semana passada, enquanto os pedidos contínuas - que vêm com atraso de uma semana - devem ter caído de 13,354 milhões para 12,925 milhões. Como sempre, será importante olhar além dessas manchetes para o número total de pessoas que solicitam benefícios relacionados ao desemprego, que ficou acima de 29 milhões no relatório da semana passada.

3. Ações devem abrir em baixa As ações dos EUA devem abrir em baixa, à medida que o ritmo de vendas aumenta novamente na esteira da recuperação de quarta-feira. Por volta das 8h47, o contrato futuro do Dow 30 caía 136 pontos, ou 0,5%, e os futuros do S&P 500 caíam um pouco menos. Os futuros do Nasdaq, em que a volatilidade foi maior nas sessões recentes, caíam 0,1%. Além dos números dos pedidos de seguro-desemprego, haverá dados de inflação de preços ao produtor para agosto, juntamente com a publicação do balanço após o fechamento da Oracle, da fabricante de bicicletas ergométricas Peloton (NASDAQ:PTON) e grupo de ração para animais de estimação Chewy. Os investidores também ficarão de olho na votação do Senado sobre um pacote de estímulo enxuto.

4. Reguladores da China intervêm para impedir a especulação no varejo As ações de tecnologia da China, que também tiveram uma recuperação impulsionada pelos investidores de varejo durante o verão, continuaram a cair depois que a Comissão Reguladora de Valores Mobiliários decidiu limitar o trade "especulativo". O índice ChiNext, em que muitas das startups mais quentes do país estão listadas, caiu mais 1,6% e agora está 10% abaixo do início do mês. Mais de 300 startups caíram mais de 10% na quinta-feira, incluindo 50 empresas atingindo seus limites de negociação de baixa, informou a Reuters. O índice KOSDAQ da Coreia, por outro lado, aumentou mais 1,4% para um novo recorde de alta na percepção de que suas empresas estarão entre as maiores beneficiárias das medidas dos EUA para excluir a Huawei da infraestrutura global de telecomunicações.

5. Petróleo cai novamente após os dados de estoques Os preços do petróleo anularam os ganhos de quarta-feira devido às preocupações persistentes sobre o excesso de oferta global ou, mais precisamente, uma queda na demanda enquanto a economia mundial luta para voltar aos níveis de atividade anteriores à pandemia. O clima foi azedado pelo relatório semanal do American Petroleum Institute, que mostrou que os estoques de petróleo dos EUA aumentaram em quase 3 milhões de barris na semana passada, em vez de cair como esperado. Os dados do governo são esperados para as11h30. Às 8h52, os futuros do petróleo dos EUA caíam 1,5%, a US$ 37,46 por barril, enquanto os futuros do Brent caíam 1,2% a US$ 40,28 o barril.

2 visualizações