Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quarta-feira - Investing.com

1. Dois velhos rabugentos

Dois velhos gritaram um com o outro por algumas horas em um esforço para resolver a questão de quem é mais adequado para liderar o mundo livre e a maior economia do mundo.

Por consenso, o presidente Donald Trump não conseguiu pressionar seu oponente Joe Biden para o tipo de gafes e congelamentos cerebrais que ele tanto fez nas redes sociais nas últimas semanas, apesar de interrompê-lo 73 vezes (de acordo com a contagem da CBS).

Biden também não conseguiu acertar nenhum nocaute, mas, dada a sua liderança nas pesquisas, é o mais provável dos dois a se contentar com um evento em que apenas se anularam.

Os investidores não aprenderam nada de novo sobre a agenda de nenhum dos candidatos, exceto na medida em que Trump novamente alimentou dúvidas sobre sua disposição de aceitar a derrota, parecendo em um momento instruir milícias de direita a "aguardar" para disputar o resultado.


2. Grandes cortes de empregos em Disney e Shell

As empresas estão ficando mais ambiciosas com seus planos de corte de custos à medida que a América do Norte e a Europa se preparam para um inverno cheio de Covid-19.

A Walt Disney (NYSE:DIS) disse que cortará 28.000 empregos em seu parque temático, varejo e operações de cruzeiros - muitos deles em tempo parcial - enquanto a petroleira anglo-holandesa Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa) disse que cortará até 9.000 empregos, ou 11% de sua força de trabalho, para se adequar a um período sustentado de baixos preços do petróleo e um possível declínio de longo prazo na demanda por petróleo e gás.

As ações da Walt Disney caíram 2,4% no pré-mercado, enquanto as ações da Shell alcançaram um modesto ganho de 0,3%, superando marginalmente o mercado mais amplo da Europa.


3. Ações devem abrir em baixa; PIB e ADP esperados

As ações dos EUA devem abrir em baixa depois que uma amostra pobre da democracia norte-americana lembrou aos investidores que o risco eleitoral não é algo reservado aos mercados emergentes, enquanto os cortes de empregos da Disney apontam para tempos mais difíceis para o mercado de trabalho.

Às 8h44 (horário de Brasília), o Dow Jones Futuros caía 187 pontos, ou 0,7%, enquanto o S&P 500 Futuros também caía 0,6% e o Nasdaq Futuros caía 0,7%.

Os investidores provavelmente estarão de olho nos números do PIB do segundo trimestre e da pesquisa mensal da ADP de folhas de pagamento privadas. Além disso, haverá a estreia no mercado da empresa de segurança cibernética Palantir, que estabeleceu um preço de referência de US$ 7,25 para suas ações, avaliando-as em cerca de US$ 16 bilhões.


4. Lagarde sugere que o BCE seguirá o Fed

Christine Lagarde sinalizou que o Banco Central Europeu pode seguir o Federal Reserve em um compromisso formal de deixar a inflação correr acima de sua meta tradicional de 2% quando concluir a revisão de sua estratégia de política monetária no próximo ano.

Os comentários de Lagarde vieram contra o pano de fundo de alguns dados de alta frequência melhores do que o esperado: vendas no varejo alemão aumentaram 3,1% em agosto e os números de julho também foram revisados ​​para cima. Os gastos do consumidor francês também superaram as expectativas com um aumento de 2,3% em agosto, enquanto os números alemães de desempregados caíram modestamente, em linha com as expectativas. O euro caiu 0,2% para US$ 1,1709.

Os dados de atividade dos gerente de compras da China haviam mostrado uma recuperação ainda intacta, mas se achatando após uma forte recuperação durante o verão.


5. Petróleo derrapa antes de dados de estoque

Os preços do petróleo bruto estavam testando novamente mínimas de duas semanas com os mercados de ações respondendo sombriamente ao debate eleitoral, na percepção de que um resultado disputado da eleição pode gerar a incerteza usual que pesa sobre os mercados a cada quatro anos.

Às 8h44, os futuros do petróleo dos EUA caíam 0,7%, a US$ 39,03 por barril, enquanto o Brent, referência internacional, caía 0,9%, a US$ 41,20 o barril.

Os preços não conseguiram subir muito com a avaliação do American Petroleum Institute de que os estoques de petróleo dos EUA caíram 831.000 barris na semana passada, em vez do aumento de 1,4 milhão de barris que era esperado. O prazo dos dados do governo, como de costume, é às 11h30.


Fonte: investing

1 visualização