Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quarta-feira. - Investing.com

Investing.com -- ADP dá uma prévia do relatório de empregos de sexta-feira, enquanto mais diretores do Fed falam sobre a mudança de abordagem da política monetária do Banco Central dos EUA. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, rejeita a última proposta de estímulo econômico dos democratas.

O BCE começa a se preocupar com a taxa de câmbio do euro. O período de 30 anos sem recessão da Austrália termina e os preços do petróleo são bem cotados antes dos dados de estoque do governo.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quarta-feira, 2 de setembro.

1. ADP publica relatório de empregos de agosto

A economia dos Estados Unidos está no centro das atenções novamente, com o processador de folhas de pagamento ADP publicando sua estimativa para o número de empregos criados no setor privado em agosto.

As previsões são de um aumento de 957.000, uma forte aceleração em relação aos 167.000 de julho, graças ao desaparecimento da segunda onda de casos de Covid-19 em todo o sul e oeste do país. No entanto, isso ainda deixaria a economia com cerca de 12 milhões de empregos aquém do nível anterior à Covid, com apenas dois meses para as eleições.

Os números ADP são esperados às 9h15 (horário de Brasília). Eles serão seguidos por dados de pedidos de fábrica de julho às 11h e a pesquisa do livro Bege do Federal Reserve sobre a economia dos EUA às 17h.

2. Mnuchin rejeita proposta de estímulo de Pelosi

Mais três dirigentes do Federal Reserve irão falar sobre a economia dos EUA, com o presidente do Fed de NY, John Williams, esperado para as 11h, a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, às 13h, e Neal Kashkari, do Fed de Minnesota, às 15h.

Os mercados estarão atentos a qualquer reação ao fracasso contínuo dos políticos em romper o impasse sobre a próxima rodada de medidas de apoio econômico para a economia dos EUA.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, rejeitou na noite passada uma proposta reduzida de US$ 2,2 trilhões da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que disse que "diferenças sérias" permanecem entre os dois lados.

Os Centros de Controle de Doenças agiram para neutralizar um dos maiores riscos para a confiança do consumidor na terça-feira, emitindo uma ordem nacional impedindo temporariamente milhões de locatários dos EUA de serem despejados, dizendo que os despejos acelerariam a disseminação da Covid-19.


3. Ações devem abrir em alta

As ações dos EUA devem abrir em alta novamente, apoiadas pelo fato de que os políticos estão falando novamente sobre um novo pacote de estímulo. Os sinais dos mercados de previsão de que as chances de reeleição de Donald Trump estão melhorando também parecem apoiar o sentimento.

Às 8h45 (horário de Brasília), o contrato futuro de Dow 30 subia 173 pontos, ou 0,6%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 subia paralelamente. Os futuros do Nasdaq 100 subiam 1%, em meio a relatos de os preços estarem sendo cada vez mais impulsionadas por ações de relativamente pequena escala nos mercados de opções por parte dos investidores de varejo.

Digno de nota para os investidores em ações em dificuldades - a Macy's deve relatar os lucros antes da abertura. Espera-se um prejuízo líquido de US$ 1,80 por ação. A AT&T também pode despertar interesse depois que o The Wall Street Journal informou que está pensando em vender seu negócio de publicidade digital Xandr, poucos dias depois de uma notícia semelhante dizendo que sua unidade DirecTV também pode estar no bloco.

4. Austrália fica sem sorte; BCE preocupa-se com o euro

Austrália - o país sortudo - finalmente ficou sem sorte no segundo trimestre de 2020, confirmando sua primeira recessão em mais de 30 anos.

A economia do país encolheu 7% nos três meses até junho, conforme a demanda chinesa por suas commodities - notadamente minério de ferro e carvão para alimentar suas siderúrgicas - entrou em colapso. A Austrália enfrentou uma onda de crescente demanda por commodities chinesas por três décadas.

A desaceleração não impediu a alta do dólar australiano, no entanto, que está 29% acima da mínima de março em relação ao dólar e caiu apenas 0,4% com os dados, deixando-o perto de uma alta de dois anos.

Os dados europeus durante a noite também tenderam para o lado negativo: o desemprego na Espanha aumentou em quase 30.000 em agosto, em vez dos 10.000 esperados, enquanto as vendas no varejo na Alemanha caíram pelo segundo mês consecutivo em julho. O euro cedeu mais de um centavo em relação ao dólar, com comentários do economista-chefe do BCE, Philip Lane, ajudando a reforçar um pouco a realização de lucros atrasada.

5. Estoques mantêm o petróleo bem apoiado

O governo dos EUA divulgará sua estimativa semanal de fornecimento de petróleo dos EUA, um dia depois que o American Petroleum Institute sugeriu que, na semana passada, houve outra queda acentuada nos estoques de petróleo.

Estima-se que os estoques de petróleo caíram em 1,89 milhão de barris na semana passada, enquanto os estoques de gasolina devem ter caído 3,04 milhões, com os varejistas tendo que reduzir os estoques para substituir os suprimentos das refinarias que fecharam durante o furacão Laura.

Na terça feira, a API estimou uma queda de 6,36 milhões de barris de petróleo, algo que manteve os futuros do petróleo dos EUA e do Brent bem apoiados. Eles subiam 0,6% e 0,7%, respectivamente, às 8h46.

Fonte: Investing.com

5 visualizações