Fique com as principais notícias da ultima semana! 29/03/2021 a 02/04/2021 - Investing

Fique com as principais notícias da ultima semana! 29/03/2021 a 02/04/2021 – Investing.


1.Pandemia no Brasil.

2. Credit Suisse (SIX:CSGN) e Nomura avisam sobre grandes perdas após o fiasco de fundo de hedge.

3.Biden apresentará planos de gastos com infraestrutura esta semana.

4.Merkel ameaça lockdown mais rígido; casos de Covid-19 da América do Sul e da Índia continuam a disparar.

5.Petróleo sobe com Rússia sinalizando manutenção do corte de oferta pela Opep+.

6.Troca-troca.

7.Dólar sobe com rendimentos.

8.As vacinas lutam contra a "desgraça iminente".

9.Lançamentos do Space ETF da ARK.

10.Experimento da Amazon no Reino Unido sobre entrega de comida torna-se público.

11.Crise no Exército.

12.Opep+ reúne após o corte das previsões de demanda.

13.Mitsubishi sinaliza perda na Archegos; Deutsche Bank encapa; S&P corta perspectiva para o Credit Suisse.

14.Ações e títulos oscilam antes do discurso de Biden.

15.Lagarde pede cautela com juros.

16.Clima ameno.

17.Dólar, rendimentos de títulos caem após Biden sinalizar aumento de impostos para financiar planos de gastos.

18.Ações devem abrir em alta, com tecnologia de volta.

19.TSMC gastará US$ 100 bilhões na expansão da capacidade.

20.OPEP+ decide sobre produção.



Segunda-feira, dia 29 de Março de 2021.

1. Pandemia no Brasil

O Brasil registrou neste domingo 1.656 novas mortes por Covid-19 e o número total de óbitos provocados pela doença ultrapassou a marca de 312 mil, mostraram dados do Ministério da Saúde.De acordo com os dados da pasta, o país também registrou nas últimas 24 horas 44.326 novos casos confirmados da doença, o que fez com que o total superasse a marca de 12,5 milhões.O Estado de S. Paulo relata a dificuldade de estados em suprirem a demanda por profissionais especializados em atendimento de UTIs. Segundo a publicação, ao menos nove unidades da Federação passam por escassez de equipes nas alas de tratamento intensivo.Enquanto isso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, de 71 anos, recebeu nesta sábado a primeira dose da vacina contra Covid-19 em Brasília. O país tem 14 milhões de pessoas vacinadas com ao menos uma dose do imunizante.Os principais jornais estampam também a pressão para a demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que estaria sendo negada pelo presidente Jair Bolsonaro. Segundo a Folha de S. Paulo, até parlamentares aliados ao presidente da República pararam de defender o ministro, cuja postura em relação à China, Índia e outros produtores de vacinas e insumos para vacinas tem sido duramente criticada pelos presidentes da Câmara e do Congresso, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG).


2. Credit Suisse (SIX:CSGN) e Nomura avisam sobre grandes perdas após o fiasco de fundo de hedge

Dois bancos alertaram sobre perdas significativas com a exposição a um único fundo de hedge, cujo default nas chamadas de margem desencadeou uma venda de ações de vários bilhões de dólares na sexta-feira em Nova York.A gigante japonesa Nomura Holdings (NYSE:NMR) (SA:NMRH34) disse que poderia enfrentar um golpe de US$ 2 bilhões, fazendo com que suas ações caíssem 16% nas negociações de Tóquio, enquanto as ações do Credit Suisse (NYSE:CS) caíam 14% na Europa, depois de alertar sobre que o desmonte “pode ser altamente significativo e relevante para os resultados do primeiro trimestre”.O Credit Suisse alertou que "outros bancos" também ainda estão saindo de posições associadas ao cliente, que a Bloomberg identificou como a Archegos Capital Management, o fundo de family office do ex-gerente de fundos de hedge Bill Hwang. A extrema volatilidade em ações como ViacomCBS

(NASDAQ:VIAC) (SA:C1BS34) e Discovery (NASDAQ:DISCA) (SA:C1BS34), Baidu (NASDAQ:BIDU) (SA:BIDU34) e Tencent Music Entertainment (NYSE:TME) na sexta-feira gerou temores de que as corretoras poderiam restringir suas regras de empréstimo, restringindo a liquidez geral do mercado.


3. Biden apresentará planos de gastos com infraestrutura esta semana

O presidente Joe Biden pretende dividir uma nova rodada de investimentos em duas partes, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, no domingo (28).A primeira parte, a ser revelada esta semana, terá como foco projetos de infraestrutura, notadamente a transição para energia verde, enquanto a segunda, com foco em saúde e cuidado infantil, será lançada em abril.Os dois projetos representam o núcleo dos planos de ‘reconstruir melhor’ os EUA, um slogan que foi adotado com variações locais em todo o mundo, à medida que os governos usam a reconstrução pós-Covid para resolver as deficiências em seus respectivos sistemas econômicos e sociais.O governo Biden tem mais probabilidade de obter o apoio republicano no Senado para o projeto de infraestrutura do que para outras medidas de gastos que apontam para uma expansão de longo prazo do estado de bem-estar nos EUA, algo que muitos republicanos temem vir com grandes aumentos de impostos.


4. Merkel ameaça lockdown mais rígido; casos de Covid-19 da América do Sul e da Índia continuam a disparar

As preocupações com os problemas contínuos de grande parte do mundo para controlar a pandemia Covid-19 seguem pesando nos mercados.A última onda da Europa continua a crescer, com a França se aproximando da capacidade em suas unidades de terapia intensiva e a chanceler alemã Angela Merkel ameaçando invocar poderes federais de emergência para impor lockdowns mais rígidos na maior economia da Europa.Enquanto isso, na América do Sul, Brasil e Chile continuam tendo novas infecções em taxas recorde, enquanto Colômbia, Argentina e Peru apresentam números de casos em rápido crescimento.O subcontinente indiano também continua sendo uma grande fonte de preocupação, com as taxas de infecção atingindo seu nível mais alto desde outubro na Índia, e perto de níveis recordes no Paquistão e Bangladesh.


5. Petróleo sobe com Rússia sinalizando manutenção do corte de oferta pela Opep+

O navio que bloqueia o Canal de Suez foi “80%” libertado, de acordo com a Autoridade do Canal de Suez, pondo fim à grave perturbação do comércio global.A Bloomberg citou o chefe da empresa de salvamento que executou a operação, dizendo, no entanto, que apenas "a parte fácil" foi feita e que "não queremos comemorar muito cedo".Os preços do petróleo chegaram a recuar com as notícias, mas a sinalização da Rússia de que a Opep+ vai manter os cortes de ofertas levou à recuperação do preço da commodity.O preço dos contratos futuros do WTI subia 0,74% a US$ 61,41 o barril, enquanto o do contrato Brent avançava 0,85% para US$ 64,98 o barril.




Terça-feira, dia 30 de Março de 2021.

6. Troca-troca

A reforma ministerial brasileira desta segunda-feira (29) incluiu trocas na Casa Civil da Presidência da República, no Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), no Ministério das Relações Exteriores, na Secretaria de Governo, no Ministério da Defesa e na Advocacia-Geral da União (AGU).Dentre eles, os de maiores destaques foram a mudança do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, pelo até então Ministro-Chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, que, segundo o Estado de S. Paulo, atende às críticas de Bolsonaro de que a pasta estaria se recusando a atuar como ferramenta política contra governadores que decidiram adotar lockdowns para conter os números da pandemia.Segundo matéria da Folha de S. Paulo, com fontes, os comandantes do Exército, Marinha e Força Aérea decidiram colocar seus cargos à disposição do novo ministro da Defesa, o que deve ser decidido em reunião nesta manhã.Outro destaque das mudanças é a entrada da deputada Flávia Arruda (PL-DF) como ministra-chefe da Secretaria de Governo. Ela será a responsável pela articulação política do governo no lugar do ministro Luiz Eduardo Ramos, que irá substituir Braga Netto na Casa Civil.Essa troca, segundo os jornais, agrada particularmente ao Centrão, que vinha pressionando Bolsonaro por mais interlocução dentro do governo.

Outra mudança relevante é a saída do Ministério das Relações Exteriores do agora persona non-grata do Senado Federal, Ernesto Araújo, que acumulou críticas às posturas radicais em relação à China e posicionamentos avessos à tradição brasileira na diplomacia. No lugar dele, entra Carlos Alberto França, diplomata considerado como mais comedido nos posicionamentos políticos.


7. Dólar sobe com rendimentos

Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA subiam nesta manhã, puxando o dólar para cima e futuros de ouro para baixo, enquanto os mercados se preparavam para o anúncio dos planos de gastos com infraestrutura do presidente Joe Biden, em um discurso prevista para esta quarta-feira.O dólar atingiu a maior alta em mais de um ano contra o iene e a maior alta em 4 meses e meio contra o euro, com apostas na recuperação econômica global reduzidas pelo cenário de alta de casos da Covid -19 em todo o mundo.Perto das 7h30, horário de Brasília, o índice DXY, que acompanha o dólar em relação a uma cesta de moedas da economias desenvolvidas, subia 0,24% a 93,17, saindo do patamar de 93,192, o maior desde que a Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34) e a BioNTech (NASDAQ:BNTX) (SA:B1NT34) anunciaram a primeira vacina em novembro.O rendimento dos títulos de dez do Tesouro subia para 1,77%, maior patamar desde o início da pandemia, enquanto o rendimento dos de 30 anos avançava para 2,46%. O impacto do aumento dos rendimentos dos títulos e das taxas de hipoteca pode ser refletido nos dados de preços de moradias e da confiança do consumidor, que saem nesta terça-feira. O ouro recuava para baixo de US$ 1.689,30, menor patamar em três meses.


8. As vacinas lutam contra a "desgraça iminente"

Os EUA podem ser vítimas de uma quarta onda de Covid-19 se reabrirem a economia muito rapidamente, alertou Rochelle Walensky, a nova chefe dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, na segunda-feira.Walensky disse que a incidência de novas infecções e hospitalizações aumentou nos últimos dias, dando uma sensação de “desgraça iminente” à luz do que aconteceu na Europa no último mês.Houve notícias mais otimistas de um estudo do CDC que mostrou que as vacinas baseadas em mRNA produzidas pela Pfizer/BioNTech e pela Moderna (NASDAQ:MRNA) (SA:M1RN34) interrompem 90% da transmissão de Covid-19. Os resultados sugerem que as vacinas devem mitigar efetivamente para pessoas vacinadas os riscos de aglomerações públicas.

O presidente Biden disse na segunda-feira que 90% dos adultos dos EUA seriam elegíveis para a vacinação até 19 de abril.