Fique com as principais notícias da ultima semana! 22/03/2021 a 26/03/2021 - Investing

1. Resultados da AstraZeneca geram otimismo nos EUA

2. Casos pelo mundo

3. Turquia em turbulência

4. Futuros de NY devem abrir mistos

5. Saudi Aramco

6. Brasil luta contra a pandemia

7. Powell e Yellen enfrentam o Congresso

8. Vacina da AstraZeneca enfrenta restrições

9. Ações devem abrir mistas; Europa se precoupa com Covid

10. Petróleo atingido pelas restrições contra o coronavírus na Europa

11 Brasil no ápice da pandemia

12. PMIs fortes na Europa e no Japão; EUA de olho em Yellen e Powell

13. Ações devem abrir em alta; a última bomba de Bitcoin de Musk

14. CEO da Intel apresenta a nova estratégia

15. Bloqueio de Suez eleva os preços do petróleo

16. Combate à pandemia

17. Canal de Suez ainda bloqueado

18. Europa e Reino Unido recuam na guerra das vacinas; AstraZeneca revisa dados de medicamentos

19. Ações devem abrir em baixa

20. Bancos centrais emergentes ponderam sobre aumento da inflação

21. Divergência da pandemia aumenta com Biden dobrando a meta de vacinação

22. Enquanto isso, no Brasil

23. Renda pessoal, gastos no radar

24. Fed deve acabar com as restrições de pagamento bancário

25. Bloqueio de Suez deve durar até a próxima semana




Segunda-feira, dia 22 de Março de 2021.

1. Resultados da AstraZeneca geram otimismo nos EUA

A AstraZeneca (LON:AZN) (SA:A1ZN34) superou um grande obstáculo para a autorização de sua vacina nos EUA, à medida que o Reino Unido e a UE se aproximavam de restringir as exportações de vacinas entre si.

A empresa disse que sua vacina foi 79% eficaz em parar o Covid-19 sintomático e 100% eficaz na prevenção de morte e hospitalização, em um estudo que cobriu mais de 32.000 voluntários nos EUA. Os resultados também não mostraram problemas com distúrbios de coagulação do sangue, preocupações que levaram muitos países da UE a suspenderem a distribuição da vacina no início deste mês.


2. Casos pelo mundo

A notícia chega em um dia em que a maior economia da Europa, a Alemanha, deve se juntar à França para endurecer e estender as restrições de bloqueio até meados de abril em resposta a um aumento de novas infecções nas últimas duas semanas.